google analytics

sexta-feira, 2 de julho de 2010

requebra, requebra ....

Ola meninos e meninas sapekas !
Tudo bem com vocês ? Eu estou bem obrigado... Muitas pessoas leem o meu blog e ficam me imaginam e as vezes acham que eu sou como elas imaginam, mas como diz o velho ditado “ não julgue um livro pela capa” cai como uma luva no conto de hoje.
Era um domingo de manha, ouvi o meu celular tocando até sem nem abrir os olhos, morrendo de sono, exausta pela noitada de sábado, falei alo com aquela voz rouca, ou como alguns dizem “voz de traveco”, nem o leo reconheceu a minha voz, mas por fim ele me convidou para ir a um churrasco que ia ter, depois de xingar muito o leo por me ligar assim em cima da hora e descobrir que ia ser em um lugar muito longe, la na favela, eu desliguei e mandei uma mensagem para a letícia ordenando que ela fosse comigo, afinal eu não ia sozinha, avisei que passaria na casa dela e comecei a me arrumar, fiquei pensando em que roupa eu iria vestir, fiquei horas decidindo até que estava na hora de sair então sai com um shorts jeans, um top e uma blusinha branca por cima e sandália, peguei a letícia na casa dela e fomos, mas quem disse que seria fácil ? Agente deu varias voltas, rodando e rodando e o pessoal da comunidade olhando para nós provavelmente olhando as “forasteiras” rodando igual baratas tontas, até que vimos uma pessoa conhecida chegando, dirigindo uma saveiro. Era ela, só podia ser ela, Jéssica. Muito tinha ouvido sobre essa garota, sempre que a roda do bar estava animada ela era citada na roda, quase todos o caras já tinham se interessado por ela, ela era uma referencia, há quem dissesse que ela mais fala do que faz, que ela só provocava que na hora do vamos ver ela amarelava, e eu me incluía nessa turma, nos vimos poucas vezes e eu não tinha visto nada de interessante nessa garota, uma garota exibida, com uma cabecinha de ideias compradas, magrela, eu não sei o que os meninos tanto viam nela, mas homem é tudo igual mesmo.
Então colocamos os carro para dentro da casa quando eu vi ela descer do carro, de calça legging branca, um tomara que caia com um biquíni por baixo, um rabo de cavalo bem alto e óculos escuros do tipo abelha. Realmente fazia tempo que eu não a via, mas pelo amor de deus, onde foi que essa menina esteve que eu também quero ir, ela estava um espetáculo, um show à parte, ela evoluiu de magrela a mignozinho, deve ter se acabado na academia pois tinha ganhado belas coxas e uma bundinha perfeitinha, redondinha e a calça enfiada mostrava todas as suas novas curvas. Ela viu que eu a estava analisando levantou os óculos, colocou-os na cabeça e sorriu, aquele olhar de tesão e o sorriso de mulher safada como se soubesse que vai rolar uma sacanagem são inconfundíveis, parecia que eu estava vendo uma nova pessoa, e uma pessoa bem provocante ainda mais quando ele me diz “vem linda, vamos arrasar”. O churrasco começou como qualquer outro, apesar de ser na periferia a casa era grande, com churrasqueira, com piscina, e principalmente o que mais interessa, cerveja a vontade e a conversa rolava solta até que um cara veio implicar comigo já me olhou e disse “olha temos uma patricinha no nosso churrasco da periferia” e me olhou de cima a baixo, me regulando aquilo me deixou puta, sempre no meio da conversa ele dava um jeito de encaixar uma piadinha sobre o fato de ele ser um negão, que as branquinhas adoravam um negão, principalmente as riquinhas e me olhava querendo me desafiar.
Já estávamos todos alegres quando alguem começou o batuque , e o samba começou a rolar improvisado, mas a Jéssica não perdeu tempo, se levantou da mesa e foi para o centro da roda com a sua latinha de cerveja na mão e começou a sambar como se não tivesse ninguém olhando, sem vergonha nenhuma e animava os marmanjos todos babando vendo ela requebrar, e confesso que eu estava morrendo de inveja dela, eu tomava minha cerveja tentando criar coragem de ir lá até que essa coragem finalmente veio, eu dobrei meu shorts para que ele ficasse bem curtinho e parti para a roda de samba e comecei a dançar também e a forma sensual que a Jéssica me envolvia deixava tudo bem caliente e mesmo eu dançando pudia sentir os olhos do Felipe na minha bunda, ele estava babando e me secando, Jéssica já estava tinha tirado a blusa e estava de biquíni e aquela calça branca maravilhosa, mas eu já estava cansando, o álcool já tinha subido para a cabeça, já estava no clima e com a bexiga cheia então fui a banheiro, era um banheiro grande até mas também com funcionava como um entulho, estava cheio de coisas. Então quando eu estava no banheiro eu ouvi o barulho de alguem chegando era a Jéssica, também já bêbada, e ela me viu sentada no vaso e parou bem na minha frente, e eu disse “ow sua maluca vai mijar em mim ?” ai ela arreou as calças e disse que queria ser um homem para poder mijar em pé e ficou la fazendo barulho e dando risada, eu também já estava mais para lá do que para cá , dava muita risada, com a aquela bucetinha na minha cara, carequinha, lábios fechadinhos, e fiquei olhando o seu corpo, sua barriguinha seca e seu corpo moreninho de sol brilhando pelo suor de estar dançando, exalava feromônio a danada, então me levantei e fiquei com meu rosto bem próximo ao dela, lábios quase se tocando, ela me olha nos fundo dos olhos e que pudia ver todo o seu tesão, quando ela percebeu que eu li a mensagem ela fechou os olhos e me beijou, lábios macios mas ávidos podia sentir o sabor do gloss em seus lábios, misturado com o gosto de cerveja eu não parava de beber, ela me dava arrepios, pela primeira vez estava acuada em uma situação dessa ela me sentou no vaso, abriu minhas pernas e caiu de boca, passando delicadamente a língua sobre o meu grelinho, como só uma garota sabe fazer, ela me chupava e colocava seus dedinhos na minha bucetinha, dedos mágicos, ligeiros e certeiros, no ponto exato onde me dava mais prazer, eu gozei muito e ela tomou todo o melzinho que escorria, sem desperdiçar nada. Quanto por fim entra no banheiro o Felipe, ela se levanta diz para o Felipe “ela está pronta para o abate” e da um beijo nele, estava bêbada o suficiente para pensar que eles haviam combinado aquilo, que eu não ia querer fazer sexo com ele há menos que alguem me deixasse com muita vontade, e ela conseguiu, ela acendeu o meu fogo, e vendo o volume na bermuda do Felipe pensei que não seria uma má ideia, comecei a passar a mão sobre a sua bermuda, pude ver que o pau dele já estava começando a ficar duro, então dei uma ajudinha, desabotoei e baixei o ziper e ele disse “é por isso que eu gosto das branquinhas, elas adoram um caralho de um negão, eu sabia que você não ia resistir a essa rola preta” eu nem dei bola, nem estava pensando, a cerveja não deixava, então coloquei aquela coisa pra fora, não era igual os de filmes prono, mas dava um beeeeeelo caldo ! E então comecei a lamber suas bolas, lamber ele todo até lamber a cabecinha, comecei a punheta-lo para que ela ficasse toda para fora e olhei para ele que beijava a Jéssica e masturbava ela. Me subiu uma inveja eu ali chupando o pau do cara e ele nem ai? O que essa garota tinha ? Eu não podia deixar por menos, então comecei a mamar, comecei devagar afinal era grande, mas ele disse “chupa sua patricinha, chupa que nem uma mulher de verdade, que sei que você ta gostando então mostra para o seu negão como se chupa um pau de verdade” e pressionou a minha cabeça contra o seu pau, eu quase engasguei, mas agora eu finalmente tinha a atenção dele, então caprichei, chupei o máximo que pude chupava, com vontade, da cabecinha até sentir ele no talo da minha garganta. Ele estava adorando, mas ele queria mais então me tirou da frente e sentou no vaso com a tampa fechada e eu fui atras engatinhando de quatro atras do pau dele e continuei a chupar, Jéssica me ver assim começou a me masturbar, aqueles dedinhos mágicos eram de deixar qualquer uma de pernas bambas, eles tiram o dia para judiar de mim, eu chupava o negão e ela com seus dedinhos mágicos na minha bucetinha e sua língua no meu cuzinho, lambendo ele todinho. Então ela se levantou , me tirou e sentou no pau dele, pude ver de perto sua bucetinha se abrir toda quando ela sentou no negão, eu vi de camarote ela requebrando no pau dele, e que swing essa menina tinha, eu continuei a me masturbar vendo aquilo e bebendo mais da minha cerveja, até que o celular dele toca, ela não deixou ele atender, ela atendeu e começou a conversar com a pessoa no telefone como se nada tivesse acontecendo, ela nem ao menos diminui o ritmo sentando gostoso no pau dele, que garota sensacional! Então ela se levantou veio até mim, me deu um beijo daqueles e disse “aproveita linda, ele é todo seu agora” então la fui eu, sentar no negão, eu me lembro pouco já estava completamente bebada, mas me lembro dele me comendo gostoso, me xingando de patricinha, de enfiando fundo até o talo, e de me fazer beber todo o leitinho dele. Disseram que eu durmi ainda no banheiro muito tempo travada, mas isso eu não lembro, então não aconteceu.... se alguem me perguntar eu nego.

2 comentários:

mario disse...

tenho cintura dura , mas adoro um sambão deveria ser lei ter um todo fds

LEO disse...

uau! experimentou a lingua de uma menina! Ela fez como so uma menina pode fazer...será??
BJSSS
LEO