google analytics

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Ricardão e a copa do mundo...

Ola meninos e meninas sapekas !
Tudo bem ? Estou bem obrigada. Época de copa do mundo, o povo todo torcendo, galera fazendo a festa em frente a TV xingando juiz e o técnico da seleção, hoje em dia eu gosto dessa festa, os jogos desta copos estão sendo vistos todos aqui em casa e eu estou adora, acho que eu to ficando meio mole, meio família com o passar do tempo, porque vou confessar que nem sempre foi assim, antes eu não curtia ver o jogos ficava irritada com aquele bando de homens em transe como se não houvesse mais nada no mundo, e não era a única mulher a pensar assim...vamos ao conto então.
Era a copa de 2006, o pessoal quis assistir os jogos do brasil juntos, mas o brasil não quis colaborar e foi eliminado, mas quem disse que os meninos pararam por ali, eles queriam ver a final entre Itália e França e lá estávamos todos reunidos na casa da michelly para ver a final, mas o brasil já tinha perdido nós meninas não estavam nem ai para a final da copa, mas os meninos estavam hipnotizados, e sentadas sobre a mesa fofocando e falando mal deles, crucificando os coitados porque eles não estavam dando atenção para agente, chegamos ao ponto de debater a opressão masculina, mas eu não podia admitir isso, eu precisava fazer alguma coisa, então foi que alguma mulher enfurecida lançou na roda uma aposta. Eu pessoalmente odeio ser desafiada, odeio que alguem duvide das minhas capacidades, seja elas quais forem, então aquela aposta soou para mim como um desafio, foi apostado que deveria conseguir tirar o marcão da frente da TV, mesmo sendo o marcão o que tava mais empolgado, sentado no meio do sofá bem em frente a TV, mas se o desafio era esse então eu estava de corpo e alma, bem mais corpo né ? Porque só há uma coisa que brasileiro gosta mais do que futebol, mulher e bunda, e mesmo sendo meio desprovida da mesma eu ainda era uma mulher e eu sei como usar o meu corpo para provocar um homem.
Então falei para todas as meninas irem para a sala e se espalharem pelos sofás para não dar bandeira das minhas intenções e eu fui até o banheiro me preparar, tirei o sutien para que o bico dos meus seios ficassem se mostrando sob a blusa, dobrei o shorts para que ele ficasse um pouco mais curto, e retoquei a maquiagem caprichando nos lápis e no rímel para dar maior destaque aos meus olhos claros que tanto as pessoas elogiam, e passei um gloss nos lábios e fui para o ataque. Eu comecei com o básico, levei mais pipoca para o pessoal, e me inclinei para deixar a pipoca na mesinha de centro e tenho certeza que pelo menos uma olhadinha pra minha bunda, tentei sentar perto dele mas o sofá estava lotado, então sentei no chão perto das suas pernas quando tinha uma situação de perigo eu pegava nas suas pernas e apertava, cheguei a pensar que ele tinha entendido o recado, porque ele abriu as pernas e me deixou bem no meio, com a cabeça quase no seu pau, então em determinado momento eu me virei para me levantar, eu quase fiquei de boa no pau dele e olhei para ele com aquela cara de safada, e ele me olhou e entortou o pescoço como se quisesse ver a TV.
Eu me levantei , possessa da vida, eu podia matar um ali, como homem é burro ! Eu ali dando todos os sinais e o cara vendo jogo ? Deve ser viado ! Num é possível ! Fui para cozinha preparar algo para beber e me acalmar. Fiquei sentada la na cozinha, bebendo uma caipirinha quando alguem adentrou a cozinha, eu achei que fosse uma das meninas e sem olhar comecei a reclamar e quando olhei não era uma das meninas era o ricardo, fiquei sem graça eu não tinha a minima intimidade com ela, tinha o visto uma ou duas vezes, ele era um mexicano que veio para o brasil com uns 13 anos, então se apoio na pia da cozinha e começou a conversar comigo, ele ainda carregava aquele sotaque, ele misturava palavras em português com palavras em espanhol, tinha a pele morena devido a sua descendência de astecas, cabelos compridos e lisos que dariam inveja em muita garota e carregava todo aquele charme latino eu já tinha me preparado toda para fazer sexo, eu estava querendo e comecei a reparar no ricardo e pensar nele me comendo, logo cada palavra com sotaque minha bucetinha ia ficando mais molhadinha, e eu ia imaginando ele falando no meu ouvido.
Então me levantei e me aproximei dele, sentei na pia ao lado do ricardo, assim reveli as minha coxas e pudesse caprichar no tom da minha voz. Então eu tinha que fazer a pergunta crucial, porque ele não estava la vendo o jogo e estava ali falando comigo, ele respondeu que não ligava muito para futebol, que não tinha paciência, ainda mais esses times que ele não conhecia ninguem, era o que eu precisava ouvir, tasquei-lhe um beijo pus minha mão entre seus longos cabelos e na sua nuca puxando para mim, ele se ajeitou na minha frente, entre as minhas pernas e o clima começou a esquentar ali na cozinha mesmo, eita homem caliente ! Que pegada latina ! Eu já peguei naquela bunda durinha e apertei com vontade, ela corria suas mão pelas minhas coxas e seus beijos pelo meu pescoço e orelhas.
Mas o clima tava demais para a cozinha, eu fui pelo corredor procurando uma cama, achei um quarto que tinha uma cama de casal, nem quis saber de quem era aquela cama, me deitei nela e chamei pelo meu homem. Ele estava na vontade também, tirou a roupa bem rapidinho, e logo vi aquele corpicho todo nudo, com o pau duro apontado para o teto, sem duvida fiz um 69 bem gostoso, ele então me deitou e começou a me tocar, e falar em meu ouvido com aquele sotaque, ele esfregava meu clitóris, ora com delicadeza ora com vontade, passou a enfiar dois dedos, la dentro e me falava coisa maravilhosas em espanhol, me chamava de gostosa, que minha bucetinha estava toda ensopada, os lábios se abrindo e eu gozando implorando para que o ricardão me comesse, mas ele era cruel, me colocou de quatro e eu prontamente empinei a minha bundinha, quando eu achei que ele ima enfiar aquele pauzão na minha bucetinha, sinto uma língua correndo pelos lambios indo até o meu cuzinho, ele começou a me chupar e ele não parava, eu não aguentava mais, gozei mais uma vez, então decidida , virei ele, e subi em cima dele e falei quase gemendo em seu ouvido “pelo amor de deus ricardo, me come” e fui sentando bem devagar naquele pau quando senti ele todo, batendo bem la no fundo e comecei o rebolado, ele estava adorando, e eu mais ainda, sentando e rebolando sem parar, no sobe e desce olhando para ele fixamente parei e comecei a movimentar só o quadril, bem na pontinha, só na cabecinha, para que ele pudesse sentir todo o prazer mas por fim quem acabou gozando fui eu, ele me virou e começamos um papai e mamãe, nunca tinha sentindo tanto prazer em uma posição tão básica, ele enfiava freneticamente e depois parava e ficava dando umas estocada que batiam bem la no fundo, eu quase gozava em cada estocada que ele dava mas eu gemia e dizia “ai ricardão” , podíamos ouvir o grito de gol la da sala mas estávamos ocupados e pensei em quantas garotas não queriam ter um ricardão desses na hora do jogo, seria bem feito para os namorados que ficam com seus amigos vendo jogos inúteis de futebol, acho que eu gozei por todas elas naquele dia, a vingança das mal comidas, tinha que ser justamente o ricardão ! Então eu tinha que dar uma recompensa aquele homem maravilhoso, posicionei ele e comecei a lamber aquele pauzão, olhando bem pra ele, fazendo a cara de mais safada e vadia que eu conseguia, para que ele visse o quanto eu estava satisfeita, o quanto ele tinha me dado prazer, mamei gostoso até sentir a porra quentinha, grossa descendo goela abaixo, passei a língua nos lábios, tentando ter o máximo do gosto daquele pau.
Voltamos para sala, um de cada vez para não levantar suspeitas, eu passava os dedos no canto da boca para que não ficasse nem uma gota as meninas me olharam com aquela cara de “sua safada! Não acredito!”, perdi a aposta mas me vinguei por todas as mulheres.

2 comentários:

Bibi Ribeiro disse...

aheuaheuehuaeua.. adorei!

Rogerio Pelegrim disse...

Sensacional! E as vezes me pego em contradição... Afinal, não sou tão fanático por futebol assim!